Versículo Bíblico do dia

Jogo Biblico

domingo, 16 de dezembro de 2012

O vinho e bebidas alcoolicas citados na Bíblia


"A vereda dos justos é como a luz da aurora que vai brilhando mais e mais até ser dia perfeito." Provérbios 4:18.

Exemplos da Tolerância de Deus

É um conceito bíblico, expresso de forma clássica no texto acima, que a luz é progressiva, a santificação é obra de uma vida e o conhecimento aumenta a cada dia para o povo de Deus.
Muitas verdades, que no passado eram conhecidas apenas parcialmente ou até virtualmente desconhecidas, foram crescendo e se tornando mais compreendidas pelos servos de Deus.
Veja-se por exemplo que, da mesma forma que Deus tolerou o uso de bebidas fermentadas, suportou também a escravatura como um mal contingente, passageiro, mas é evidente na Escritura que o escravismo não era e nem é parte do plano ideal de Deus, que quer que todos os homens sejam irmãos e não busquem ser servidos mas servir. Embora tolerando, Deus deu leis para regulamentar a prática até que o ideal fosse atingido. (Êx. 21:16, 20; Ef. 6:9; Col. 4:1)
Outros exemplos de práticas que Deus tolerou são o divórcio e a poligamia, que, conforme é declarado na Bíblia, não faziam parte do plano ideal divino. Por isso, Ele deu leis que regulamentavam e restringiam essas práticas tão em voga e até legalizadas nos dias bíblicos entre as nações pagãs. O Seu povo teria que aprender, depois de quatro séculos de escravidão e em estado semi-bárbaro, os rudimentos do “evangelho” até atingirem o ideal de Deus. (Ex. 20:7-11; Deut. 21:10-17; Mal. 2:12-16)
O próprio Jesus refere-se ao divórcio como tolerado em razão da “dureza dos corações” dos israelitas, mas, disse o Salvador, no princípio não foi assim. Mat. 19:4-8.

Males das Bebidas Fermentadas

Deus também tolerou as bebidas fermentadas. É evidente pelas experiências com viciados que, segundo especialistas na área de recuperação de alcoólatras, a maneira mais segura de evitar o vício é “não tomar o primeiro gole”.
Deus jamais sancionaria um hábito que, mesmo em seu moderado uso social é responsável pelas mais dramáticas e terríveis estatísticas no que se refere à degeneração da mente, corpo e espírito dos homens.
Professos seguidores da palavra de Deus jamais admitiriam envolver-se com a guerra, pelos seus horrores e mortandade, e no entanto, apóiam o “uso moderado” de bebidas alcoólicas sem considerar que as mortes por imprudência nas estradas e no trabalho, montam um número anual maior do que o de muitas guerras. Sem falar em deficientes mentais filhos de ex-bebedores sociais e agora alcoólatras, lares esfacelados, invalidez, desemprego, aos centenas e milhares além de outros males. E tudo isso causado na maioria dos casos por pessoas que bebiam socialmente, somente nos “fins de semana” e possivelmente consideravam-se “moderadas”.
Considerado doença pela OMS (Organização Mundial de Saúde), o alcoolismo ainda está em expansão porque muitos, até mesmo religiosos, sancionam doutrinariamente o seu uso. Brincar com um copo desse vírus é perigoso. É brincar com veneno!
Portanto, devemos ter em mente que o uso de qualquer marca ou quantidade de bebida alcoólica é um perigo de crime contra si próprio e contra o seu próximo, e ainda ficar aquém do ideal da Escritura neste particular como veremos.

A Bebida Alcoólica no Antigo Testamento

Outro ponto importante que esclarece a questão do uso de vinho alcoólico e outras bebidas fermentadas naturalmente, bem como a tolerância de Deus quanto a essa prática, diz respeito aos hábitos e recursos alimentares dos tempos bíblicos. É claro que não dispondo das modernas técnicas de engarrafamento de sucos, sem geladeiras, sem conservantes como temos hoje e sem embalagens apropriadas, toda uma produção de sucos e sumos estavam sujeitas ao processo natural de fermentação.
Os odres (recipientes de couro costurado), vasos de barro, madeira ou metal não impediam a ação das bactérias, tendo os antigos que conviver com as condições que dispunham nesta parte. Bebiam, pois, vinho sem fermentar quando ainda novo, recém espremido das uvas, chamado no Antigo Testamento de TIROSH ou vinho novo, esta palavra aparece 38 vezes no AT. A bebida consumida tempos depois e já fermentada naturalmente, ou que foi fabricada em processo de fermentação era denominada normalmente de SHEKAR (usada 23 vezes no AT). Para bebidas em geral, fermentadas ou não, era usado o termo YAIM indistintamente, e que aparece 140 vezes no AT.
Portanto, a própria necessidade alimentar de uma bebida nutritiva e a carência de técnicas e recursos de conservação modernos, obrigava-os a terem na fermentação natural da bebida uma necessidade e mal necessário, uma vez que o grau alcoólico nestas bebidas, trazia embutido o problema do vício do alcoolismo, embriaguês e suas conseqüências morais, físicas e espirituais. Por isso o ideal era não usá-las a exemplo dos recabitas, povo abstêmio que vivia entre os israelitas, e cuja virtude e lealdade foi ressaltada pelo próprio Deus. Jer. 35:2-5.
Por outro lado, a fermentação era um bem, pois tinha para as bebidas a função de provavelmente o único e universal processo de conservação para os sucos sem a deterioração total como é o caso de muitos xaropes vendidos hoje em dia. Era, pois, um mal necessário, mas um mal. Justifica-se, desse modo, o ideal de Deus na declaração do sábio em Provérbios 23:31 a 35: “ Não olhes para o vinho quando se mostra vermelho, quando resplandece no copo e se escoa suavemente...” Não se deve nem mesmo desejá-lo, olhando-o – NÃO OLHES! Porque “no seu fim morderá como a cobra e como o basilisco picará.” E, continua o sábio: “Olharás mulheres estranhas” e, “teu coração falará perversidades”.
“Dirás: espancaram-me, bateram-me mas quando acordar beberei outra vez.”
Que desfecho terrível para um simples olhar e certamente o primeiro gole! São esses os passos para o vício: olhar, experimentar e a despeito das conseqüências, beber outra vez!
Não estamos sujeitos aos hábitos mantidos pela “dureza de corações” e atraso em que viviam os homens do passado. Não estamos obrigados a sofrer a limitação dos recursos de técnicas de conservação como eles; não precisamos nem devemos correr o perigo de consumir tais bebidas, mesmo porque, atualmente, em sua grande maioria, passam por processos industriais de fermentação e destilaria, o que aumenta artificialmente, e em muito, o teor alcoólico da bebida.
Concluímos até aqui que, se as bebidas naturalmente fermentadas eram, na antiguidade, a única forma de se estocar sucos, sendo uma necessidade daqueles tempos, apesar de suas conseqüências prejudiciais à saúde, constitui-se, para nós hoje, um uso desnecessário, contrário ã luz que temos, temerário e perigoso, mais ainda considerando-se a destilação que aumenta o seu grau alcoólico.
Certamente tal costume não concorda com o testemunho cristão e contraria o princípio bíblico, submetido ao qual todos os usos e práticas da igreja devem estar em harmonia sob pena de contradição: I Cor. 3:16, 17. Somos o templo de Deus e nada que o contamine, prejudique ou o ponha em risco deve ser usado.

Referências Bíblicas Contrárias às Bebidas Fermentadas

Veremos, agora, mais alguns textos que corroboram a recomendação de não usar bebidas fermentadas:
1. O vinho e a bebida forte fazem errar e desencaminhar até o sacerdote e o profeta. Isa. 28:7, 8.
2. Há uma maldição para os que seguem a bebedice. Isa 5:11, e outra maldição para os que dão bebida ao seu próximo. Hab. 2:15.
3. As bebidas alcoólicas são escarnecedoras e alvoroçadoras. Prov. 20:1.
4. O ideal é nem olhar para o vinho, pois é traiçoeiro, quanto mais usá-lo! Prov. 23:31, 32.
5. O beberrão cai em pobreza. Prov. 23:20, 21.
6. Não vos embriagueis com vinho, mas enchei-vos do Espírito. Ef. 5:18. A bebida alcoólica é incompatível com o Espírito Santo, conforme deixa claro a conjunção adversativa “mas”.
7. O bispo não deve ser dado ao vinho . I Tim 3:3; Tito 1:7. Mas o bom mesmo é não beber vinho devido ao escândalo que pode provocar em outros. Rom 14:21. A bebida está relacionada com as obras da carne. Gál. 5:21.
8. Normalmente, os que hoje são bêbados não começaram com a intenção de sê-lo. Cuidado! Os bêbados não entrarão no reino de Deus. I Cor. 6:10.
9. A bebida era incompatível com o serviço a Deus pois os encarregados de atividades no Santuário não podiam beber. Lev. 10:9.
10. Mesmo no conceito liberal da mãe do rei Lemuel (Prov 31:6) os que ministravam a justiça e os nobres não deviam beber. Prov. 31:4, 5.
11. Em Provérbios 31:6 acha-se a opinião da mãe do rei Lemuel e não uma posição divina sobre o assunto. Os amigos de Jó, embora piedosos, também deram opiniões religiosas equivocadas pelo que foram posteriormente repreendidos por Deus (Jó 42:7-9)
12. Miquéias adverte que um povo mau teria profetas falsos e mentirosos que defenderiam o vinho e a bebida forte. Miq. 2:11.
13. O vinho e o mosto tiram a inteligência. Osé. 4:11.
14. Pessoas dadas ao vinho são desleais, soberbas e não se contém. Hab. 2:5.
15. Aqueles que desejam fazer a vontade de Deus devem abster-se do uso, mesmo moderado, de bebidas alcoólicas, considerando as seguintes razões: a luz que temos, o ideal de Deus e os males e perigos desse hábito. A total abstinência é a posição a ser assumida por aqueles que estão preparando o caminho para a volta do Senhor como fez João Batista. (Luc. 1:15)
16. Entende-se, pois, que Jesus, nas bodas de Caná, transformou a água em vinho novo, sem fermentar (TIROSH no AT), o puro suco de uva, o vinho de melhor qualidade..
17. Em função dos argumentos acima apresentados a passagem de Deut. 14:26 é mais uma cena do hábito tolerado por Deus apesar das conseqüências e por causa das contingências.
18. Em I Tim 3:8 é recomendada a moderação em reconhecimento ao perigo que a bebida oferecia, em vista da resistência que a proibição sumária poderia provocar. Esta opinião do apóstolo foi moldada para restringir um hábito, conforme o texto deixa claro e não para sancioná-lo.
19. Em I Tim 5:23 o vinho é recomendado para uso medicinal, conforme crença do apóstolo, usado pouco com água e não puro como bebida de prazer. Este texto não serve para defender o uso ou o vício da bebida.

Conclusão :
Buscar, neste caso, exemplos bíblico para justificar o consumo da bebida equivale a apoiar também o divórcio fácil, poligamia e escravidão que foram, igualmente, alvo da tolerância de Deus. Coloca-se também a Bíblia, injustamente, como co-responsável pelas tragédias decorrentes da indulgência com as bebidas fermentadas. Os costumes e práticas dos antigos, alvo da tolerância de Deus, não refletem necessariamente a vontade divina.
O verdadeiro cristão jamais defenderá tal hábito.

ASTROLOGIA - O que a Bíblia fala sobre a astrologia?


A Bíblia ensina que a astrologia é não somente uma atividade inútil (sem valor), mas algo tão mau que sua simples presença indica que o juízo de Deus já ocorreu (Atos 7.42-43). Tanto como filosofia ou como prática, a astrologia rejeita a verdade relativa ao Deus vivo, e em seu lugar conduz as pessoas a objetos mortos, como os astros e planetas. Assim como a Bíblia ridiculariza os ídolos, também o faz com os astrólogos e suas práticas (Isaías 47.13).
Entretanto, isto não tem evitado que a maioria dos astrólogos declare que a Bíblia apóia favoravelmente a astrologia. Jeff Mayo, fundador da Escola Mayo de Astrologia, declara que "a Bíblia está cheia de referências astrológicas". Joseph Goodavage, autor de Astrology: The Space Age Science (Astrologia: A Ciência da Era Espacial) e Write Your Own Horoscope (Escreva Seu Próprio Horóscopo), declara que "a Bíblia está cheia da" filosofia da astrologia.[1]
Os astrólogos "justificam" tais afirmações da mesma maneira que muitas seitas citam a Bíblia como evidência de seus próprios ensinamentos falsos e anti-bíblicos. Eles distorcem as Escrituras até ensinarem algo contrário à Bíblia.[2] Qualquer passagem bíblica que refute tais ensinos é simplesmente ignorada, mal interpretada, ou eliminada. Pode-se provar que todo texto bíblico citado pelos astrólogos para provar que a Bíblia apóia a astrologia foi mal interpretado ou mal aplicado.[3] Assim como a água e o óleo não se misturam, a Bíblia e a astrologia são totalmente incompatíveis. Alguns não-cristãos também admitem que existe "um abismo ideológico permanente entre ambas as crenças".[4]
Historicamente o cristianismo tem-se oposto à astrologia por três razões bíblicas. Primeiro, a Bíblia explicitamente rejeita a astrologia como uma prática inútil (sem valor). Uma prova disso está em Isaías 47.13-14, onde Deus afirma: "Ja estás cansada com a multidão das tuas consultas! Levantem-se pois, agora os que dissecam os céus e fitam os astros, os que em cada lua nova te predizem o que há de vir sobre ti. Eis que serão como restolho, o fogo os queimará; não poderão livrar-se do poder das chamas; nenhuma brasa restará para se aquentarem, nem fogo para que diante dele se assentem." Aqui vemos que, em primeiro lugar, Deus condena o conselho dos astrólogos babilônicos. Em segundo lugar, Deus disse que suas predições baseadas no movimento dos astros não os salvariam do juízo divino que se aproximava. Finalmente, Deus disse que o conselho dos astrólogos não era inútil somente para os outros, mas que nem os salvaria a eles mesmos (Deuteronômio 4.19; 17.1-5; 18.9-11; 2 Reis 17.16; 23.5; Jeremias 8.2; 19.13; Ezequiel 8.16; Amós 5.26-27).
A segunda razão bíblica pela qual o cristianismo tem-se oposto à astrologia é porque Deus proíbe as práticas ocultas. Basicamente, a astrologia é uma adivinhação. Esta é definida pelo Webster’s New Collegiate Dictionary (1961) como "o ato ou prática de prever ou predizer atos futuros ou descobrir conhecimento oculto". No Webster’s New World Dictionary (1962), a astrologia é definida como "a arte ou prática de tentar predizer o futuro ou o conhecimento por meios ocultos". Por ser uma arte ocultista, Deus condena a adivinhação como mal e como uma abominação para Ele, dizendo que ela leva ao contato com maus espíritos chamados de demônios. (Deuteronômio 18.9-13; 1 Coríntios 10.20).
Finalmente, a Bíblia repudia a astrologia por levar as pessoas à terrível transferência de sua lealdade ao infinito Deus do Universo para as coisas que Ele criou. É como dar todo o crédito, honra e glória às magníficas obras de arte, esquecendo completamente o grande artista que as produziu. Nenhum astrólogo, vivo ou morto, daria às pinturas de Rembrandt ou Picasso o mérito que corresponde aos autores, mas eles o fazem rotineiramente com Deus. Entretanto, Deus é infinitamente mais digno de honra que os homens, pois é Ele quem fez "os céus e a terra" e em Suas mãos está a vida de todos os homens (Gênesis 1.1; Daniel 5.22-23).
O que têm provado os testes de validade dos signos zodiacais (por exemplo, se você é de Peixes, Áries ou Leão)?
A astrologia diz que o signo zodiacal de uma pessoa tem grande importância para determinar a totalidade de seu caráter. A análise de um pesquisador do conteúdo da literatura astrológica revela 2.375 adjetivos específicos para os doze signos zodiacais. Cada signo foi descrito por uns 200 adjetivos (por exemplo, "Leão" é forte, dominante, rude – um líder nato; "Touro" é indeciso, tímido, inseguro – não é líder). Nesse teste, mil pessoas foram examinadas segundo 33 variáveis, incluindo o atrativo físico, a capacidade de liderança, os traços de personalidade, as crenças sociais e religiosas, etc. A conclusão foi que este teste falhou em provar qualquer predição astrológica: "Todos os nossos resultados podem ser atribuídos ao acaso."[5]
Foi feito outro teste para descobrir se os planetas influem na compatibilidade do matrimônio, ou seja, se existe uma indicação significativa do número de casais que continuaram casados porque seus signos demonstraram ser "compatíveis"? E os que tinham um signo "incompatível" se divorciaram? O estudo foi feito com 2.978 casais que se casaram e 478 casais que se divorciaram em 1967 e 1968. Este teste demonstrou que os signos astrológicos não alteravam significativamente o resultado em qualquer desses grupos. Os nascidos sob signos "compatíveis" casaram e se divorciaram com a mesma freqüência do que os nascidos sob signos "incompatíveis".[6]
Os astrólogos alegam que os cientistas e os políticos são favorecidos por um ou outro signo zodiacal. Ou seja, que há uma suposta conexão entre o signo de uma pessoa e suas possibilidades de êxito numa determinada profissão. Ao investigar esse tema, John McGervy comparou a data de nascimento de 16.634 cientistas e 6.475 políticos e não encontrou correlação que substanciasse as afirmações dos astrólogos. Não pode haver dúvida de que a distribuição de signos nestas duas atividades foi tão aleatória quanto entre o público em geral.[7]
Concluindo, a evidência científica atual mostra que não é válida a afirmação dos astrólogos de que seu signo influi em sua vida.
Conclusão
Enquanto a "luz dos astros" tem trazido dúvida e divisão entre os próprios astrólogos, e incerteza e frustração para o povo que anda sem direção, JESUS, o Criador de todos os astros celestes e de todo o Universo, apresenta-se como a verdadeira Luz do Mundo e declara que aqueles que O seguirem não mais andarão em trevas; mas terão a luz da vida (João 8.12).
Aos que estão buscando direção para suas vidas, Jesus convida: "Vinde a mim todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei... e achareis descanso para a vossa alma" (Mateus 11.28-30).
Na Bíblia, a Palavra de Deus, encontramos revelações claras de que nossas vidas estão nas mãos de Deus. Davi revela-nos no Salmo 139 que Deus tudo conhece e que não podemos fugir da presença dEle em hipótese alguma. Daniel, o profeta, declara ao rei Belsazar: "...Deus, em cuja mão está a tua vida, e todos os teus caminhos..." (Daniel 5.23).
Nossas vidas e nossos caminhos estão nas mãos de Deus! Que consolo e descanso é sabermos que nossas vidas estão nas mãos desse Deus amoroso! Para os babilônios, todavia, que se deixavam guiar pelos astros, não foi assim, conforme lemos em Isaías 47.13-15.
Diante de nós está a escolha a ser feita: saber o que dizem os astros a meu respeito, ou saber qual a vontade de Deus para a minha vida. Convém recordarmos as palavras do apóstolo Paulo na sua Carta aos Romanos: "E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus" (capítulo 12.2). 

segunda-feira, 28 de maio de 2012

Estudo Bíblico - adolescencia


"Um adolescente chamado Jesus"  - Texto: Lucas 2:42-52.


Introdução: A adolescência deve ser encarada normalmente, como as outras fases da vida: infância, juventude, adulta e velhice. Em todas estas etapas, enfrentamos mudanças com as quais devemos nos adaptar. Devemos entendê-la como um processo normal do indivíduo, em direção à maturidade.

A peculiaridade desta faixa etária é que todas as transformações (físicas, emocionais, psicossociais, intelectuais e espirituais), acontecem ao mesmo tempo e rapidamente.

Com Jesus não foi diferente, Ele também teve a sua adolescência e juventude. A bíblia nos informa apenas um episódio da adolescência de Jesus, episódio este que vamos analisar detalhadamente.

O tema em questão, ?um adolescente chamado Jesus?, não é nada pejorativo, o desejo é fazer uma abordagem acerca da adolescência de Jesus, no intuito de instruir os jovens adolescentes de hoje.

1.    Jesus, um adolescente que frequentava os cultos.

A prática de ir ao culto já era comum para Jesus, o versículo (22) diz que Jesus foi ao Templo pela primeira vez quando ainda tinha dias, já no versículo (40) diz que Ele crescia debaixo da sabedoria e graça de Deus. Antes de completar doze anos o filho só podia freqüentar os cultos na sinagoga, e era hábito dos pais levarem os filhos à sinagoga. Quando completou doze anos Jesus foi ao templo.

-    A vida de vitória de Jesus, sem dúvida, deve-se ao fato de ele ser criado na igreja. O adolescente deve ter suas atividades seculares, como estudar, jogar bola, passear com os colegas, porém sua agenda deve ter como prioridade o culto ao Senhor. Vejam o versículo (46), quando Jesus desapareceu por três dias, o local onde o encontraram foi no templo.

2.    Jesus, um adolescente que gostava de conversar(v.46). 

É muito comum encontrarmos pessoas dizerem que o adolescente na época da puberdade sem emudece. Não é preciso ser assim. Pode um adolescente se integralizar com outros da mesma idade, porém é de sua importância que o mesmo venha se interessar em dialogar com os mais velhos. Vejamos como pode ocorrer isso:

-    Jesus sabia ouvir: Muitos adolescentes não sabem ouvir os mais velhos, desprezam a sabedoria vivida por esses homens. O adolescente não pode esquecer que eles já passaram por esta idade, por sua vez, já tiveram filhos adolescentes, vivenciaram duas vezes a realidade que você (adolescente), está vivendo.

-   Jesus sabia perguntar:

Tem um ditado que diz assim ?quem tem boca vai a Roma?. Jesus, não estava perdido, embora seus pais pensavam que Ele havia se perdido. A melhor forma de começar um diálogo é perguntando, interrogando, não se limite tire suas dúvidas cruéis, pergunte aos pais, tios, avós, aos presbíteros, pastores, em fim pergunte, não engula qualquer coisa, não viva introvertido, solte suas dúvidas, faça como Jesus. Talves você está pensando se Jesus era como você, não tenha dúvida que sim. Ele era homem, tinha suas necessidades fisiológicas, desejos diversos, brincava quando criança.Jesus, diferente de Samuel não foi criado dentro do templo, pelo contrário foi criado com seus pais, com os colegas de Nazaré, Ele era um adolescente como você, o que Ele talves é diferente de muitos adolescente hoje é que Ele sabia ?ouvir e perguntar?.

3.    Jesus, um adolescente envolvido com as coisas de Deus. (v.49a).

Quando sua mãe e seu pai o encontraram manifestaram a preocupação; ?que é isso que fizeste conosco?. Jesus dá a resposta mais profunda que se possa ouvir da boca de um adolescente, ?me convém cuidar das coisas do Pai celestial?. Queridos adolescentes a vida é bela porque foi dada por Deus, e Ele deseja que a vivamos felizes. O que ocorre, é que o mundo vem mudando cada dia, e estas mudanças são para pior. Você vê todos os dias na mídia, o mundo fervilhando, como um grande caldeirão em erupção, e alguém gritando ?Salve-se quem puder!!? para o adolescente do século 21, a salvação é se envolver nas coisa do Pai.Paulo ao escrever aos crentes de Colosso disse assim: ?Pensai das coisas que são de cima (alto), e não nas coisas que são da terra?. (Cl. 3:2). Como pode um adolescente se envolver:

-    Participar da escola bíblica: A diferença da escola dominical para a escola secular, é que nela você tem instrução para toda a eternidade, enquanto na secular só te prepara para esta vida, profissionalmente e socialmente. Jesus disse ?fazei esta sem omitir aquela? (Mt. 23:23c).

-    Se envolver na evangelização: Um garotinho que se converteu ainda na adolescência, tornou-se um grande ganhador de almas ?Charles Haddon Spurgeon? aos 15 anos, ocorreu seu verdadeiro encontro com Jesus.

-    Se possível não perder nem um culto: algumas igrejas realizam poucos cultos. Numa semana, às vezes são apenas 2 ou 3 dias de cultos, porque perde-los. 

-    Eu diria ainda mais uma coisa, faça tudo o que você tem direito na adolescência, se não faça aquilo que vai te roubar das coisas do Pai, que vai demove-lo dos prazeres celestiais.

4.    Jesus, um adolescente que sabe obedecer aos pais:

Em último lugar, o versículo (51) ?... desceu com eles... era-lhe sujeito?. Devemos acabar com aqueles jargões, ?adolescentes são terríveis?, ou ?aborrecentes?. Querido adolescente, Jesus foi um adolescente como você, teve todas as mudanças em seu corpo, pois Ele era humano, porém o que marcou a adolescência de Jesus, foi a sua submissão aos pais. Estamos vivendo uma época em que a rebeldia tem se intensificado. Quais os tipos de rebeldia mais comum:

-    Adolescentes respondões: é humilhante para os pais que tanto fez por você, vê-lo agredir com palavras. Você pode pergunta, interrogar, fazer algo que até agrade a Deus, mas não responda para seus pais.

-    Adolescentes desobedientes: quantas vezes os pais dizem não, e mesmo assim você faz. O horário de chegar em casa e desobedecido, o tipo de roupa, ou o tipo de usos e costumes mundanos são ignorados, quando os pais dizem não ser bom para você. O salmista diz assim: ?Bem aventurado o homem que não anda..., nem se detém no caminho dos pecadores?. (Sl. 1:1).No original caminho significa estilo de vida. Qualquer moda que os pecadores passam a usar, logo as moças e moços querem imitar. Pedro diz: ?não imites o que é mau...?. (3 João 11). São os que usam piercing, tatuagens, roupas extravagantes provocando sensualismo etc.

5.    Conclusão:

Deus escolheu você querido adolescente, não tenha dúvida disso. A questão é se você está disposto a pagar o preço. O maior preço sempre será o amor. Leia esta ilustração:

Uma tarde, um menino aproximou-se de sua mãe, que preparava o jantar, e entregou-lhe uma folha de papel com algo escrito.

Depois que ela secou as mãos e tirou o avental, ela leu: 
* Cortar a grama do jardim: R$3,00
* Por limpar meu quarto esta semana R$1,00
* Por ir ao supermercado em seu lugar R$2,00
* Por cuidar de meu irmãozinho enquanto você ia às compras R$2,00
* Por tirar o lixo toda semana R$1,00
* Por ter um boletim com boas notas R$5,00
* Por limpar e varrer o quintal R$2,00
* Totalda dívida R$16,00

A mãe olhou o menino, que aguardava cheio de expectativa.
Finalmente, ela pegou um lápis e no verso da mesma nota escreveu: 
* Por levar-te nove meses em meu ventre e dar-te a vida - Nada
* Por tantas noites sem dormir, curar-te e orar por ti - Nada
* Pelos problemas e pelos prantos que me causastes - Nada
* Pelo medo e pelas preocupações que me esperam - Nada
* Por comidas, roupas e brinquedos - Nada
* Por limpar-te o nariz - Nada
* Custo total de meu amor - Nada

Quando o menino terminou de ler o que sua mãe havia escrito tinha os olhos cheios de lágrimas.

Olhou nos olhas da mãe e disse:

"Eu te amo, mamãe!!!"

Logo após, pegou um lápis e escreveu com uma letra enorme:
"Totalmente pago"

Assim somos nós adultos, como crianças, querendo recompensa por boas ações que fazemos.

É difícil entender que a melhor recompensa é o Amor que vem de Deus.
E para sorte nossa é Grátis.
Basta querermos recebe-lo em nossas vidas.

Deus te abençoe.

A RAIZ DOS SEUS PROBLEMAS


A RAIZ DOS SEUS PROBLEMAS

Mortificai, pois, os vossos membros que estão sobre a terra: a prostituição, a impureza, o apetite desordenado, a vil concupiscência e a avareza, que é idolatria.

Colossenses 3.5


Há cristãos que vivem chateados por não conseguirem viver em santidade. Eles desejam agradar ao Senhor, vivendo na plenitude da bênção, mas quase sempre são tomados por maus pensamentos e desejos imundos. Diante de tal quadro, alguns acham que precisam batizar-se de novo, ou mesmo aceitar Jesus verdadeiramente. No entanto, não é o que a Palavra declara. Ela nos orienta a deixarmos morrer o apetite vil e desordenado.

Apesar de sermos salvos, ainda temos a natureza terrena, a qual se corrompe com o que vê, ouve e por observar as práticas alheias. Se você não fizer morrer sua inclinação natural, passará pela vida praticando o erro, confessando, fazendo promessas de não mais fazer aquilo e, de novo, caindo em transgressão. A orientação divina é mortificar os nossos membros, a nossa natureza terrena.

A pessoa que não conhece a Palavra de Deus, se ouvir que determinado cristão foi tentado na área da prostituição, logo o denunciará como pecador a ser evitado. Mas, provavelmente, ela também tem o mesmo problema. Na verdade, apesar de salvos pelo Senhor e lavados no sangue do Cordeiro, temos de lutar contra o mal. Quem não travar e não vencer a batalha da santidade não agradará a Deus.

A impureza ainda comanda muitas pessoas. Elas não admitem, mas, no íntimo, estão pensando em coisas impuras. Alguns não têm coragem de praticá-las fisicamente, mas, muitas vezes, são levados a cometê-las. Jesus nos ensinou que o pecado pode ser praticado pelos olhos e, por extensão, podemos dizer que também no pensamento e nos desejos maus.

O apetite desordenado citado no versículo é, por exemplo, a loucura que domina algumas pessoas que vivem para a carne. Para elas, o importante é estar na cama com seu par a toda hora. Elas exageram nesse prazer permitido e acabam vivendo somente em função dessa particularidade do casamento. Com o tempo, elas podem se cansar de estar com a mesma pessoa e buscar realização fora do casamento, cometendo adultério.

Paulo fala ainda da vil concupiscência. É evidente que ter desejos pela sua metade é lícito e faz muito bem. Porém, quando esse desejo é mau e diabólico, tem de ser erradicado completamente do seu coração. Os que são de Cristo devem aprender a possuir seu vaso em santificação e honra (1 Ts 4.4) e não podem agir como os perdidos.

Por fim, o apóstolo finaliza sua lista dizendo que a avareza – o desejo de possuir e acumular riquezas, que é uma forma de idolatria –, precisa ser expurgada da vida de quem é templo do Espírito Santo. Isso é comum nos filhos da desobediência, mas não o deve ser em nós, já que, agora, somos os amados filhos do eterno Pai.


Em Cristo, com amor,

sexta-feira, 25 de maio de 2012

TRISTE ESTADO DA ALMA

TRISTE ESTADO DA ALMA


Recebendo o galardão da injustiça; pois que tais homens têm prazer nos deleites cotidianos; nódoas são eles e máculas, deleitando-se em seus enganos, quando se banqueteiam convosco.

2 Pedro 2.13

Na passagem citada, o apóstolo Pedro fala sobre aqueles que insistem em viver no pecado. Ora, em todas as gerações, o diabo tem conseguido enganar muitas pessoas, levando-as a se fecharem completamente para a Verdade e terem prazer no erro. Indivíduos assim sequer admitem a brevidade da vida, achando que ficarão aqui por muito tempo e que, ao morrer, tudo acabará. No entanto, logo se tornam presas do destruidor.

Como brutas, elas não refletem sobre seu estado vil de vida. Falam mal do que não conhecem e, por isso, serão destruídas, visto que o Deus justo e fiel não poderá deixar que escapem do flagelo eterno. Ainda assim, elas continuam caminhando a passos largos em direção ao precipício, onde serão atormentadas dia e noite, e não admitem que, devido ao seu modo de viver, estarão desqualificadas para a felicidade perpétua. 

O texto sagrado revela que os que se corrompem receberão, no Dia do ajuste final, o salário da injustiça que, hoje, praticam. Apesar disso, não percebem que a humanidade pode escolher não viver mais em trevas, mas, sim, debaixo da luz do Senhor, a qual passou a brilhar desde a morte e a ressurreição de Jesus. Então, com prazer, entregam-se à luxúria neste tempo de viver sobriamente e, em meio às suas mistificações, regalam-se enquanto desfrutam da graça de Deus que sobre nós foi derramada. 

É grave o estado do homem que não deseja receber o novo nascimento. Seus olhos vivem “atolados” em adultério, pecado no qual não param de pensar. Suas práticas enganam os que não são firmes e constantes na fé, e os seus corações são exercitados na avareza, como se fossem filhos malditos. Com isso, nem se incomodam mais com o modo errado como vivem.


Tais indivíduos podem ser comparados a Balaão, o profeta que se vendeu e, por causa do que lhe foi oferecido, ensinou as filhas dos moabitas a seduzirem os filhos de Israel. No entanto, ele não ficou impune; tampouco, aqueles também ficarão. Deus haverá de julgar todos os que se desviam para a maldade.

O segredo é nunca abandonar o reto Caminho, mas batalhar pela fé que foi entregue aos santos. Porém, quem amar o preço da injustiça haverá de vê-lo transformar-se em um imã, o qual irá atraí-lo mais para as chamas imortais por toda a eternidade. O melhor a fazer é acertar-se com Deus e submeter-se ao que diz Seu Santo Livro. Os que assim o fizerem reinarão para sempre com Cristo.

Portanto, fuja da recompensa da injustiça. Não ceda aos prazeres imundos e livre-se das nódoas que se apegam à alma dos que se dão ao erro. Não se deleite com os enganos. Assim, sua alma não terá a marca eterna do pecado.

Em Cristo, com amor

NÃO COMETA O MESMO ERRO!

NÃO COMETA O MESMO ERRO!

E foi o SENHOR com Judá, e despovoou as montanhas; porém não expeliu os moradores do vale, porquanto tinham carros de ferro.

Juízes 1.19

Diversas vezes, o povo de Deus ouviu que do Senhor era a guerra. Josué deu a obra por concluída, quando, na realidade, ainda havia muita terra por conquistar. Se o Todo-Poderoso era com Judá, o que impediu aquele povo de cumprir a ordem por completo? Não deixe de obedecer a tudo o que lhe foi mandado. Os carros de ferro, ou qualquer outro progresso da humanidade, não devem ser obstáculos para quem tem fé. Portanto, esforce-se para não cometer os mesmos erros ou piores.

Os habitantes de Judá sabiam de cor e salteado que o Senhor era Varão de guerra. Se Deus estava com eles, por que não fizeram toda a obra? No entanto, antes de condenarmos os líderes à frente do povo de Deus, a tribo do Louvor e toda a nação, examinemos: é provável que estejamos cometendo o mesmo erro – o de deixarmos de combater o bom combate (2 Tm 4.7). Porém, isso não pode ocorrer; afinal, muitos membros de nossa família ainda não provaram o novo nascimento.

Se havia ainda muita terra a ser conquistada, por que Josué deu a obra por encerrada? Fazendo um paralelo com a nossa vida, por que não jejuamos mais, não participamos das reuniões de oração, não nos esforçamos na fé como fazíamos no passado? Será que Deus não tem mais nada a realizar em nós? Por que o mundanismo tem tomado conta de muitos cristãos? Quantos se têm dado às mais baixas práticas? Não seria isso obra do demônio?

Se Deus era, de fato, com Judá, o que o impediu de cumprir o mandamento integralmente? Certamente, esse é o mesmo sentimento que toma conta de muitos cristãos quando envelhecem na fé. Calebe afirmou que, apesar dos seus 85 anos, sua força não havia mudado (Js 14.10). Onde estão aqueles que, um dia, creram no Senhor e fizeram prodígios? Sem dúvida, temos vivido como religiosos e pecadores.

O maior erro que alguém pode cometer é não cumprir o que lhe foi mandado. Então, com isso, o diabo se instala no coração desobediente, e tal pessoa se torna carnal e corrompida moral e espiritualmente. O sinal da queda se dá, por exemplo, pela roupa que ela começa a usar, pelo apego aos bens deste mundo e por seu desinteresse pela consagração de sua vida. Então, o altar do Senhor transforma-se em um lugar de pavor, e não de amor.

Qual foi a razão de o povo de Judá ter deixado os carros de ferro enchê-lo de medo? Por que permitimos que leis ou ameaças dos homens nos apavorem? Onde estão os “Paulos” e “Silas”, que não têm medo de ser chicoteados em praça pública nem de louvar o Senhor no cárcere? A celebração deles provocou um terremoto na cadeia, e o carcereiro e sua família foram salvos (At 16.31).

Quantos têm aprendido, pela firmeza de sua fé, que vale a pena obedecer a Deus? O que sua família diz sobre seu procedimento na fé? Que conceito seu cônjuge faz da sua vida? Cuidado com suas atitudes, pois, sem perceber, você pode estar cometendo o mesmo erro de Judá, e isso, definitivamente, não agrada a Deus. Confie no Altíssimo e conclua a obra que Ele lhe confiou!

Em Cristo, com amor

PARA QUEM CAIU

PARA QUEM CAIU

Pois o inimigo perseguiu a minha alma; abateu-me até ao chão; fez-me habitar na escuridão, como aqueles que morreram há muito.

Salmo 143.3

É bom aprender com o homem sobre quem o próprio Deus disse que era segundo o Seu coração (At 13.22b). Davi era esse homem, que, quando caía, não deixava o inimigo arrastá-lo para a lama da perdição, mas buscava o perdão divino e pedia que o Senhor não entrasse em juízo contra ele. Deus já entrou em juízo em nosso favor, quando colocou sobre Seu Filho, Jesus, os nossos pecados. Agora, quem crê é salvo (Mc 16.16).

Uma importante verdade é que as pessoas que caem em pecado não deixam de ser de Deus. Elas ficam afastadas da comunhão e, se não se arrependerem, um dia, sim, serão lançadas no lago de fogo, junto com Satanás e seus demônios. Na verdade, quem teve a infelicidade de errar precisa de amor e paciência, pois é um filho precioso aos olhos do Pai. Com sabedoria divina, podemos levá-lo de volta à comunhão.

Não deixe o diabo enganá-lo. Qualquer um que cometeu iniquidade pode voltar para o Senhor. O inimigo tem levado muitos a transgredirem e, depois, os santos a condenarem tais pessoas à perdição eterna. Ora, se Deus não pudesse fazer mais nada por elas, Ele nos teria dito isso nas Escrituras. É preciso buscar os que foram enganados pelo diabo e conduzi-los de volta à fé viva e operante.

Não permita que o maligno use você no erro de se sentir mais santo que os outros. Jesus disse que não julgássemos, pois, na medida em que julgarmos, seremos julgados (Mt 7.2); apenas Deus sabe o porquê de tantas coisas erradas que acontecem com tanta gente. Já vi pessoas se levantarem do erro para serem os melhores guerreiros do Senhor. Leve a quem se desviou uma palavra de Deus e ele voltará correndo aos pés do Mestre.

Se você caiu em alguma transgressão e, por isso, não sente mais o amor de Deus, saiba que é o diabo quem o está enganando mais uma vez. O melhor é voltar agora para o Senhor; se ficar esperando o momento certo, pode ser tarde demais. Tome a decisão de confessar ao Pai seu erro e receber dEle o perdão. Você foi chamado para ser santo, e não sujo.

A verdade é que Deus está no ministério de salvar vidas, e não de destruí-las. Ele se preocupa com todo aquele que é dEle. O diabo pode tentar influenciá-lo, mas não se deixe iludir. Confie no Senhor, arrependa-se do mal e não fique mais prostrado, pois Deus quer você de pé para vencer.

Em Cristo, com amor

AOS QUE SÃO TENTADOS


AOS QUE SÃO TENTADOS

Porque, se há prontidão de vontade, será aceita segundo o que qualquer tem e não segundo o que não tem.

2 Coríntios 8.12

Esse versículo revela o que o temor a Deus pode fazer por você: ele o guarda de tropeçar. Sem dúvida, ele não permite que você vacile. Em Sua sabedoria, o Senhor premia os que respeitam Sua Palavra – os quais, mesmo que sejam levados pelo inimigo ao “pináculo do templo” na hora da tentação, preferem confessar o que Ele diz e, respeitando a Escritura, não se atirar lá de cima.

Conta muito diante do Senhor o respeito que se revela quando alguém prontamente obedece à vontade divina. Tal pessoa deseja tanto viver de modo digno diante de Deus e dos homens, que chega a se abster de prazeres considerados ilícitos, pois o que importa para ela é viver segundo os preceitos bíblicos. Quem tomar essa atitude para com o Altíssimo e Seu Reino será recompensado. 

A simples vontade de você fazer o que agrada a Deus o levará a ser verdadeiramente usado por Ele para cumprir Seu plano. De fato, querer praticar o bem permitirá que você seja um vaso nas mãos do Senhor. Ainda que tenha caído, fique firme, buscando perdão e restauração, pois o desejo de se levantar o fará ser aceito pelo Altíssimo. Não haverá nesta vida nem na vindoura maior alegria ou recompensa para quem, por amor ao Senhor, deixar pai, mãe, mulher e o que for preciso (Mc 10.29,30). Os que decidirem obedecer ao que está escrito no Livro Sagrado descobrirão que tomaram a melhor atitude.

Ninguém sabe o que está por trás de uma tentação. Você saberia responder por que já desejou envolver-se em algumas situações embaraçosas, em que a pressão era tão forte que quase o levou a consumar o pecado? O melhor é não ter caído, mas, ainda que isso tenha acontecido, se o seu coração quer levantar-se, você será aceito de novo. É a prontidão da sua vontade que conta, e não o que se passou.

Chega o momento em que você tem de dar um basta naquilo que não agrada a Deus. Ora, ninguém é responsável pela tentação, mas o será se gostar dela e viver no ambiente do “faz de conta que não quer”, mas se serve da inspiração ao erro. O fato de você ter boas intenções não o justificará, e sim a sua decisão de obedecer ao que o Senhor tem dito.

Creia no que você tem entendido na Palavra de Deus, pois Ela é a saída para toda e qualquer investida do reino da maldade contra sua vida. A sua decisão de respeitar o Senhor fará com que as cadeias do Inferno sejam quebradas. Então, estando livre do que o induz ao erro, você desfrutará da liberdade da santidade.

Em Cristo, com amor

segunda-feira, 12 de março de 2012

Mensagem de Jesus



Por que te confundes e te agitas diante dos problemas da vida?

Deixas que eu cuide de todas as tuas coisas e tudo será melhor. 
Quando tu te entregares a mim,  tudo se resolverá com tranqüilidade segundo meus desígnios.

Não te desesperes, não me dirijas uma oração agitada,  como se quisesse exigir o cumprimento dos teus desejos. 

Feche os olhos da alma e diga-me com calma:

Jesus, eu confio em Ti. 


Evite as preocupações,  as angústias e os pensamentos sobre o que pode acontecer depois. Não queiras mudar os meus planos , querendo impor tuas idéias.
Deixa-me ser Deus em tua vida e atuar com liberdade.

Abandone-se totalmente em mim.
Repouse em mim e deixe minhas mãos tocar no teu coração.


Diga-me freqüentemente:

 Jesus, eu confio em Ti.

O que mais te causa danos são tuas razões, tuas próprias idéias e tu querer  resolver as coisas a tua maneira.

Quando me disseres:

Jesus eu confio em Ti, 

não sejas como o paciente que pede ao médico que o cure e lhe sugere o modo como fazer.

Deixe se levar em meus braços divinos, não tenhas medo.  

EU TE AMO!  

Se te parecer que as coisas pioram ou se complicam apesar de tua oração, siga confiando. Feche os olhos da alma e confia. Continue dizendo a toda hora: 

Jesus, eu confio em Ti. 

Necessito de tuas mãos livres para fazer minha obra. Mesmo que a dor seja tão forte, a ponto de derramar lágrimas. Estarei contigo e com a tua família em todos os momentos.

Diga: 

Jesus, eu confio em Ti. 

Confia só em mim, entregue-se a mim,coloque  todas as tuas tristezas em minhas mãos, quero te ver feliz, eu te criei para ser feliz

Diga-me sempre: 

Jesus, eu confio em Ti.

E verás acontecer milagres.

EU TE PROMETO POR MEU AMOR POIS, SEMPRE ESPERAREI POR TI...
NUNCA DESISTIREI DE TI...
TU ÉS MEU FILHO...
TU ÉS MINHA FILHA...

E ... 
... EU TE AMO ! 
NÃO TENHAS MEDO,  ME DÊ TUA MÃO...

(JESUS)

UMA DESCOBERTA QUE PROVA A HISTÓRIA BÍBLICA

Selo encontrado em Jerusalém confirmaria Bíblia como documentação histórica 
Plantão | Publicada em 18/01/2008 às 22h33m 
EFE 
JERUSALÉM - Arqueólogos israelenses encontraram em Jerusalém um selo de cerca de 2.500 anos de antiguidade que, segundo especialistas, confirmaria a teoria que indica que a Bíblia pode ser tomada como fonte de documentação histórica. Em caracteres hebreus arcaicos, o selo estampa o nome da família Tema, que de acordo com o Livro de Neemias estava entre os exilados que retornaram a Judéia no ano 537 a.C. após o fim do cativeiro na Babilônia, atual Iraque. 

"É um nexo entre as provas arqueológicas e o relato bíblico, ao evidenciar a existência de uma família mencionada na Bíblia", disse à Agência Efe a arqueóloga Eilat Mazar, que dirige as escavações que acharam o selo, de pedra escura, com forma elíptica e dimensões de 2,1 centímetros por 1,8 centímetros. 

Mazar explicou que, segundo a Bíblia, os Tema viviam em uma região de Jerusalém conhecida como Ophel, designada especialmente aos servidores do Primeiro Templo, construído pelo Rei Salomão no século X a.C. O relato bíblico conta que, após os israelitas serem deportados à Babilônia por Nabucodonosor, depois de este conquistar Jerusalém em 586 a.C., os Tema estavam entre as primeiras famílias a retornar à Judéia. 

A arqueóloga ressaltou a influência mesopotâmica mostrada pelo selo, que em uma de suas faces possui gravada a cena de um ritual em que dois sacerdotes dispostos em ambos os lados de um altar oferecem sacrifícios à deusa babilônica Sin, representada por uma lua crescente. 

Seu culto poderia ser considerado herético para qualquer judeu.

O especialista disse que o detalhe chamou atenção, e especulou-se a possibilidade de o selo ter sido feito na Babilônia, com um espaço vazio para o nome de um possível cliente, e que pode ter sido comprado por seus proprietários em algum bazar. 

Outra característica que vem a confirmar a identidade babilônica do artesão do selo é que a caligrafia está inclinada para a esquerda, talvez pelo costume da escrita cuneiforme da Mesopotâmia, orientada da esquerda para a direita. 

No domingo, Mazar apresentará sua descoberta na Conferência de Herzliya, principal fórum de debate interdisciplinar de Israel onde exporá suas conclusões sobre o selo, que se soma a uma longa lista de descobertas arqueológicas protagonizadas pela família do especialista. 

A arqueóloga Eilat Mazar, diretora das escavações que levaram à descoberta do selo, é neta do conhecido arqueólogo Benjamín Mazar, falecido em 1995. Ele escavou nos arredores das muralhas que rodeavam o templo de Jerusalém em uma zona chamada Monte do Templo, pelos judeus, Santuário do Nobre pelos muçulmanos, e comumente conhecida como Esplanada das Mesquitas. 

Na Esplanada das Mesquitas se encontra o Muro das Lamentações, junto ao qual Benjamín Mazar deixou à descoberta grandes superfícies de uma jazida arqueológica da época do Segundo Templo (516-70 d.C.) e em cujas cercanias sua neta encontrou o selo. 

Eilat Mazar, que concentra grande parte de suas investigações no período mais antigo da história de Israel, é responsável também por outras descobertas importantes como a da base de uma estrutura arquitetônica localizada em Jerusalém e que poderia corresponder ao palácio do mítico rei David. 

Descoberta das cidades biblicas Sodoma e Gomorra


242_sodoma_gomora_budova3.jpg

Descoberta das cidades bíblicas de Sodoma e Gomorra


29_1_sodom_and-gomorrah.jpg30_2_sodom_and-gomorrah.jpg31_3_sodom_and-gomorrah.jpg32_4_sodom_and-gomorrah.jpg33_5_sodom_and-gomorrah.jpg34_6_sodom_and-gomorrah.jpg35_7_sodom_and-gomorrah.jpg36_8_sodom_and-gomorrah.jpg37_9_sodom_and-gomorrah.jpg38_10_sodom_and-gomorrah.jpg39_11_sodom_and-gomorrah.jpg40_12_sodom_and-gomorrah.jpg41_13_sodom_and-gomorrah.jpg42_14_sodom_and-gomorrah.jpg43_15_sodom_and-gomorrah.jpg240_analysis.jpg245_sodoma_a_gomora_sira.jpg242_sodoma_gomora_budova3.jpg243_sodoma_gomora_budova.jpg244_sodoma_gomora_budova2.jpg
Sodoma e Gomorra, cidades destruídas por enxofre Bíblica.
Todo mundo sabe que o ditado certamente Sodoma Gomorra, quando se fala de algo muito vergonhoso. Onde é que esta palavra se originam, se originou por acaso ou por ter uma base sólida? Esta expressão não pode fazer com que acontece, mas a partir do livro, que é chamado na Bíblia.
Sodoma e Gomorra, e outras três cidades ADMA, Zoar, Cebojim foi destruído pelo poder do Deus da Bíblia para a sua perversão. Esta cidade foi destruída como um aviso para as gerações futuras. Todas estas cidades foram destruídas por maus a Bíblia como enxofre, completamente transformado em cinzas.
No final da história do mundo, foi descoberto na cidade que foi destruída pelo enxofre, como está escrito na Bíblia. Todas essas cinco cidades localizavam-se perto do Mar Morto. As descobertas são realmente incríveis. Apontam claramente para a autenticidade da história bíblica, o que aponta para o poder ilimitado de Deus. Deus esta cidade para nós manter-se atualizado, como um alerta à sociedade perversa de hoje. O mesmo destino que se abateu sobre Sodoma e Gomorra aguarda neste mundo.
Encontrar uma destas cidades, podemos esclarecer a história bíblica de Sodoma e Gomorra, e confirmar sua autenticidade. A história das cidades destruídas por enxofre não é apenas um mito, mas um fato.
Durante anos, encontrou o edifício, foram consideradas como criações da natureza. Apesar do fato de que os sítios estão localizados perto das estradas, os lugares civilizados. Por exemplo, Gomorra está localizado abaixo da fortaleza de Masada, que é sobre um penhasco rochoso. A partir desta fortaleza, é um fascinante olhar sobre o todo Gomorra, os seus edifícios e ruas. Apesar de uma disponibilidade total decente dessas cidades que iriam passar despercebida. Sodom é uma montanha de Sodoma, que é assim chamado depois de muitos milhares de anos até hoje.
Existe alguma evidência de que os sites são realmente encontrado os restos das cidades bíblicas?
Através do site, os edifícios são cinza esbranquiçada e está repleta de literalmente milhões de bolas de enxofre. Fora desses locais, sem bolas de enxofre e cinzas foram encontradas. Foi analisado, é um patch de cinzas e bolas de enxofre. bolas de enxofre foram encontradas contendo 90-95% de enxofre. A natureza é tão puro enxofre em quantidade não aparecer em qualquer lugar do mundo.
Foram encontrados em edifícios, paredes, Ziguraty, Esfinge. Todos estes edifícios estão completamente fora das cinzas perfurou uma grande quantidade de bolas de enxofre. Nessas localidades foram encontrados os ossos das cinzas, foram descobertas as amostras de ferro fundido e ouro.
Quem descobriu a cidade perdida?
Ron Wyatt passou o Mar Morto há doze anos, até 1989, em uma dessas viagens ele pegou o corpo branco com formas especiais ao longo do Mar Morto. Estes serviços têm lembrou das muralhas e das casas. Eles lembraram de edifícios que tinham sido criadas por mãos humanas.
Ron foi para a cidade perdida com os colegas e explorar estes resultados. Ele entregou um claro testemunho de que esta é uma cidade bíblica. Ao longo dos anos, visitou o local de muitas pessoas ao redor do mundo. Tem sido repetidamente analisada bolas de enxofre e cinzas. Foi uma grande quantidade de materiais processados, vídeos, sites e livros.
A República Checa, visitou o local, o Sr. Milan Latka, trouxe a bola de enxofre e teve que fazer uma análise detalhada no laboratório. Verificado para a nação checa, que estes sites existem realmente, e as conclusões são verdadeiras. Você pode ver tudo no http://www.ban.cz Web
Como é possível que a cidade tem sobrevivido até hoje?
Face da cidade são preservadas devido à baixa pluviosidade nesta área. Nesta área são precipitação mínima (5 cm / ano). A chuva intermitente feita a superfície de edifícios a partir das cinzas de uma superfície dura, com o resultado que a cidade preservada até hoje. Quando seria de chuva nestes locais mais, a cidade foi totalmente destruído, dissolvido pela chuva. Quando a colisão foi menor, a crosta da superfície de edifícios e criou a cidade seria destruída pelo vento.
Flavius Josephus depoimento, Guerra dos Judeus.
Flavius Josephus (37-100 viveu por volta de AD) - em seu livro A Guerra dos Judeus, o quarto livro no oitavo capítulo descreve a área de asfalto (Dead) Lake, onde emergem na superfície do asfalto grumos. Descreve o comprimento do lago, que se estende até o Zoar árabe. Ele fala sobre as cinco cidades em ruínas e cinzas, que viu ali. Em tempos de lugares Flavia foram arruinadas cidades claramente conhecido.
A Bíblia é um livro inspirado pelo Criador!
Através dessas descobertas arqueológicas, podemos confirmar que a Bíblia é um livro de contos, mas na verdade um livro em que há fatos históricos. A Bíblia é um livro inspirado pelo Criador.

Seguidores

Quantos já visitaram

Contador de visitas
Powered by Primeiro lugar